Salsichas, salchichas, cachorro-quente, coiso

Salsichas Vegetais

Na Festa da Ilha há o bazar.

No primeiro fim-de-semana do mês de Agosto, é a festa da Ilha da Culatra, uma comemoração em honra da Nossa Senhora dos Navegantes. Entre outras brincadeiras e atracções, há o bazar. No bazar não se vende nada. Vende-se sim, vende-se lotaria. Também não sei porque é que se chama de bazar, mas é assim que se chama.

O bazar é uma barraca de madeira onde se vendem uns quadradinhos de papel enrolados de uma engraçada. Alguns papéis têm números que correspondem a variados itens, desde ganchos para o cabelo e garrafas de vinho, às coisas mais bizarras que alguém se tenha lembrado de oferecer à igreja.

Uma vez, ganhei uma lata de salsichas e uma bisnaga de mostarda. Segundo a minha memória, foi nessa tarde que comi, pela primeira vez, um cachorro-quente.

Cachorros em pão-de-leite

A primeira vez que comi um cachorro-quente em pão de cachorro-quente, foi quando entrei para o 5º ano. Eu já falei disto, nesta publicação. Até à data, só conhecia cachorros-quentes em baguete (como se fazia no Ponto de Passagem, o café da minha tia, que também já falei anteriormente) e em papo-seco (como o que fiz com as salsichas e mostarda que ganhei no bazar).

Ainda não consigo compreender porque é que o pão internacionalmente adoptado para cachorros-quentes e hambúrgueres, é um pão-de-leite. Por isso é que preferia comer em qualquer lado que servissem um cachorro-quente em papo-seco torrado, com aquelas salsichas de lata horríveis. Mas também, nunca gostei muito de cachorros-quentes. Nem de salsichas. Nem de salchichas.

Hail Seitan

No fim-de-semana, decidi que ia fazer seitan. Depois decidi que ia fazer salsichas. Depois decidi que ia fazer salsichas de seitan. Fiz salsichas. Ou Salchichas. Ou seitan. Não sei. Mas são boas.

Print
Salsichas
Salsichas 100% vegetais, à base de farinha de glúten e grão-de-bico. Óptimas para fazer cachorros-quentes, fritar ou assar na brasa.
Tempo Preparação 10 minutos
Tempo Cozedura 1 hora
Tempo passivo 1 hora
Doses
Salsichas
Ingredientes
Tempo Preparação 10 minutos
Tempo Cozedura 1 hora
Tempo passivo 1 hora
Doses
Salsichas
Ingredientes
Instruções de preparação
  1. Mistura a farinha de glúten com a farinha de grão-de-bico, paprika fumada, pimenta-caiena e cominhos;
    Salsichas 1
  2. Pica a cebola e o alho, assim bem picadinho;
  3. Numa frigideira bem quente, junta um pouco (cerca de 1 colher de sopa) de óleo de coco, azeite, ou outra gordura;
  4. Refoga a cebola e o alho picados;
  5. Quando começar a ficar douradinho, junta o açúcar demerara;
  6. Deixa dourar mais um pouco e junta o vinagre balsâmico;
  7. Retira do lume e deixa aí de parte;
  8. Esmaga o grão-de-bico cozido com um garfo;
  9. Junta o refogado, tamari, miso, mostarda, puré de tomate e melaço de cana e mistura bem;
    Salsichas 3
  10. Alternativamente, também podes utilizar um processador de cozinha para este processo;
  11. Junta esta mistura e o caldo de legumes à mistura de farinhas;
  12. Amassa bem, com as mãos, até formares um empelo de massa;
  13. Esta é o momento que separa os homens das meninas - o glúten precisa de ser amassado à bruta e durante algum tempo, quanto mais melhor;
  14. Há que salientar, que eu não pretendo menosprezar as mulheres - há muita mulher de barba e bigode na minha terra (literalmente) que eram moças para me arriar uma valente carga de porrada, portanto, se fores mulher, deixa-te de merdas, faz-te um homem;
  15. Deixa o empelo de massa descansar durante uns 10 minutinhos;
    Salsichas 4
  16. Entretanto, mete uma panela de água ao lume;
  17. Estica o empelo em forma de rolo e divide-o em 13 pedaços iguais (ou mais, dependendo do tamanho que queres dar às salsichas; eu gosto de má sorte, por isso fiz 13);
  18. Forma rolos mais pequenos com cada pedaço de massa e enrola-os em papel-alumínio, fechando bem as laterais;
  19. Coloca-os na cesta da panela vaporizadora (aquela panela com água que tens ao fogo) e leva-os a lume brando, tapado, durante cerca de 1 hora;
  20. Se não tens uma panela com vaporizador, podes cozê-los directamente na água, mas aconselho-te a enrolá-los (bem isolados) em película aderente e a reduzires o tempo de cozedura para 40 minutos;
  21. Se estás a utilizar o método do vaporizador, lembra-te que a água evapora;
  22. Deixa as salsichas arrefecerem completamente antes de removeres o papel-alumínio;
  23. Frita-as na frigideira, grelha-as no carvão, utiliza-as em guisados, mil e uma coisas que podes fazer com estas salsichas, inclusive é aquilo que estás a pensar;
    Salsichas 7
Recipe Notes
  • Estas salsichas ficam com uma textura surpreendentemente boa em guisados, como substituto do tradicional chouriço;
  • São bastante consistentes e óptimas para grelhar;
  • Aconselho vivamente a experimentar estas salsichas com os condimentos que utilizei na receita, mas podes sempre alterá-los por outros a gosto pessoal;
  • Podes congelar as salsichas, mesmo enroladas no papel-alumínio - sai facilmente depois de descongelar;
  • Se não tens caldo de legumes, podes simplesmente dissolver um pouco de caldo de legumes instantâneo (em pó) em água morna;
Partilhar esta receita

 

Salsichas 9

Breakdown Calórico:
(Por Salsicha = 1/13 da Receita)
Azul – 36% Hidratos
Vermelho – 8% Gordura
Verde – 56% Proteína


Salsichas 0

Gostaste da receita?

Ajuda IMENSO se comentares ou partilhares com os teus amigos 🙂

Bagels

Bagels

Que tal de fim-de-semana? Impecável não? Muita praia e coiso né? Aqui também, um espetáculo. Choveu parvamente desde sexta-feira e na segunda-feira fez uma máxima de 10ºC.

Bagels de farinha integral

Ando há meses à procura de bagels feitos de algum tipo de farinhas integrais, mas até agora, sem sucesso. Encontro bagels sem glúten em todo o lado, mas qual é a vantagem de comprar o mesmo produto, feito com farinhas ainda mais processadas do que farinha de trigo refinada? Claro que é importante que estas alternativas existam. Quem sofre de doença celíaca ou intolerância, de certeza que agradece, mas o produto final continua a ser muito pouco saudável. É raro encontrar um produto sem glúten que não contenha farinhas super refinadas.

Bom, cá em casa não temos qualquer problema com glúten e, por isso, uma receita de bagels sem glúten ficará para outra altura. Até porque não tenho muita experiência com este tipo de pães e fazê-los com uma farinha integral já é complicado o suficiente.

Aquela vez em que comi um bagel e coiso

Quando eu era puto, nunca comi um bagel. E depois cresci e também não comi muitos.

Eu não tenho histórias sobre tudo.

Print
Bagels
Bagels são basicamente uns pães com um buraco no meio. Vá, são uns pães com um buraco no meio, que são cozidos em água, antes de serem assados no forno.
Tempo Preparação 20 minutos
Tempo Cozedura 40 minutos
Tempo passivo 6 horas
Doses
Bagels
Ingredientes
Tempo Preparação 20 minutos
Tempo Cozedura 40 minutos
Tempo passivo 6 horas
Doses
Bagels
Ingredientes
Instruções de preparação
  1. Numa chávena, mistura o fermento, açúcar demerara e água morna (morna, não demasiado quente!);
  2. Deixa descansar durante 10 minutos, para activar o fermento;
    Bagels 1
  3. Numa tigela grande, mistura a farinha com o sal e junta a mistura de fermento e o melaço de cana;
    Bagels 2
  4. Prepara-te para um intenso combate com a massa;
  5. Amassa bem, à bruta;
  6. Deixa a massa descansar num local quente, durante cerca de 4 horas, dentro de uma tigela untada com azeite ou outra gordura e coberta com um pano húmido;
    Bagels 3
  7. Estica a massa com as mãos, formando um rolo comprido;
  8. Divide o rolo em 12 partes iguais;
    Bagels 4
  9. Se as partes não forem iguais, a massa vai expelir um gás venenoso que inflama-se em contacto com o ar;
  10. Forma bolinhas pequenas e, com as mãos, faz um buraco no meio e forma uma espécie de donuts;
    Bagels 5
  11. Deixa os bagels descansarem durante cerca de 1 hora;
  12. Coze-os em água a ferver, durante cerca de 1 minuto de cada lado; Podes juntar sal, açúcar e outros condimentos à àgua; Eu juntei bicarbonato de sódio, para dar um sabor de bretzel;
    Bagels 6
  13. Depois de cozidos, podes ornamentar os teus bagels com sementes, especiarias ou outros toppings a gosto; Eu utilizei erva-doce, flor-de-sal, pimenta preta, açafrão-das-índias, tomilho e sementes de sésamo;
  14. Leva os bagels ao forno, 180ºC, durante cerca de 30/40 minutos; Eu assei os meus num tabuleiro forrado com um tapete de silicone, mas também utilizar um tabuleiro untado com azeite ou outra gordura;
  15. Serve-os quentes ou frios, doces ou salgados, vale tudo aqui;
Recipe Notes
  • Estes bagels são relativamente pequenos;
  • Se preferires uns mais tamanho-sanduíche, podes utilizar estas quantidades para fazer apenas 6 bagels, em vez de 12;
Partilhar esta receita

 

Bagels 8

Breakdown Calórico:
(Por Bagel = 1/12 da Receita)
Azul – 79% Hidratos
Vermelho – 4% Gordura
Verde – 17% Proteína

 

Bagels 7

Gostaste da receita?

Ajuda IMENSO se comentares ou partilhares com os teus amigos 🙂

Papas de Milho

Papas de Milho

Quando eu tinha 12 ou 13 anos, a minha banda preferida era KoЯn. Não sei porque é que isto vem ao acaso, mas pareceu-me interessante começar esta publicação sobre papas de milho, com um trocadilho com a palavra inglesa corn, que significa, obviamente, milho.

Não teve piada nenhuma, eu sei. Mas é uma boa forma de ocupar espaço nas publicações, quando não estou inspirado. Além disso, é verdade.

Xarém

Um dos pratos mais característicos da minha região é, sem dúvida alguma, o xarém.

Se não és português, provavelmente nunca ouviste falar de xarém. Ou, se calhar, és português mas também nunca ouviste. Nesse caso, eu explico-te. Mas não deixes de sentir-te envergonhado por seres estúpido.

Quando eu era miúdo, eu ficava extasiado só de pensar em comer xarém. Quando o meu avô aparecia com patas-roxas em casa, eu já sabia que ia haver xarém.

Existem vários pratos de xarém, no Algarve, sendo os mais conhecidos o xarém de amêijoas ou o xarém de conquilhas, mas lá em casa, a minha avó fazia muitas vezes xarém do caldo da caldeirada de peixe.

Milho traçado

Xarém é um prato feito à base de farinha de milho – é esta a definição que irás encontrar se pesquisares na internet. Mas a minha avó insiste que o xarém faz-se com milho traçado, não é com farinha de milho.

Quando a minha avó era miúda, os ilhéus (caso sejas novo no blogue, eu sou natural da Ilha da Culatra, o pedaço de terra mais bonito deste planeta) trocavam peixe, marisco e outros animais com os agricultores de Olhão e outras localidades. Em troca recebiam batatas, couves, fruta, arroz e outros vegetais e cereais.

O milho traçado é uma moagem grossa do milho, que normalmente não é tão pouco peneirado. É um processo barato e pouco trabalhoso e por isso é habitualmente alimento dado a galinhas e outros animais.

Dizem os antigos que havia muitos animais na Ilha, não é como hoje em dia. As pessoas compravam milho traçado para dar às galinhas e aos patos, mas não eram eles os únicos a comer. É que o milho traçado era (e é) mais barato que a farinha de milho e se era bom para as galinhas, também era bom para os ilhéus.

Isto nunca ouvi da minha avó, ela só me diz que o xarém faz-se com milho traçado, não é com farinha de milho. Mas eu já ouvi estas histórias da boca de outras pessoas mais velhas. Estas histórias de os ilhéus trocarem alimento com os agricultores. O resto eu deduzo. Não é difícil.

A verdade é que o milho traçado faz um xarém tão bom ou melhor do que a farinha. MUITO melhor, na minha opinião. Mas eu sou suspeito – eu cresci a comer xarém feito com milho traçado.

Ainda hoje, a minha mãe e a minha avó vão à praça e se não houver milho traçado, não dá para fazer xarém.

Papas de Milho

Eu juro que até há uns anos atrás, eu não fazia ideia de que se comia papas de milho doces. Para mim, papas de milho era xarém! É verdade que a minha bisavó costumava comer papas de maizena com açúcar, mas eu nem sequer sabia que maizena era amido de milho, quando era pequeno.

Eu falo muitas vezes de coisas que aprendi na escola de hotelaria. É verdade que aprendi muita coisa sobre comida, simplesmente porque frequentava um curso de cozinha. Mas esta não foi a única razão. Cresci muito culturalmente, também pelo ambiente diversificado da escola. É que se até à data eu só tinha estudado em escolas frequentadas maioritariamente por alunos naturais de Olhão ou arredores, a escola de hotelaria do Algarve era completamente diferente. Havia alunos de todo o país. A grande maioria eram algarvios, é verdade, mas havia malta do norte, alentejanos, alfacinhas, gente de todo o lado, mesmo. E as diferenças culturais eram, obviamente, enormes. Aprende-se muita coisa num ambiente assim. Foi assim que descobri que papas de milho, também se comem doces.

Eu adoro papas de aveia. São parte integrante da minha dieta, quase diariamente. Também gosto de papas de quinoa, millet ou arroz, mas já há algum tempo que andava a pensar nesta receita. Não queria fazer papas de milho com farinha de milho ou milho traçado, até porque demora muito tempo a cozinhar, mas ainda assim, queria fazer algo saudável e com alimentos pouco processados.

Acho que estas papas de milho vão agradar a muita gente.

Ingredientes:

570 gr. de Milho doce cozido (enlatado)
6 Tâmaras
2 Chávenas de Leite Vegetal
2 Colheres de Sopa de Linhaça moída
1 Colher de Chá de Açafrão-das-índias
1/2 Colher de Chá de Cardamomo moído
1/2 Colher de Chá de Gengibre em pó
1/4 de Colher de Chá de Cravinho moído

Instruções:

  • Prepara-te psicologicamente para uma receita tecnicamente complicada e psicologicamente esgotante;
  • Remove o caroço às tâmaras;
  • Escorre o milho;
  • Atira com o milho, tâmaras e leite para dentro do liquidificador;
  • Tritura tudo;
  • Despeja o conteúdo num tacho;

Milho 1

  • Junta o açafrão-das-índias, cardamomo, gengibre e cravinho;
    • Se não gostas de algum dos condimentos, morre;
      • Ou então não utilizes;
  • Junta também a linhaça moída;
  • Cozinha em lume brando, sempre a mexer;
    • O milho costuma borbulhar violentamente, se não mexeres;
    • Se fores massoquista, mete a cara dentro do tacho e espera pela jorra do geysir de milho quente;
  • Quando estiver grossinho e quentinho, serve em taças, com os teus toppings preferidos;
  • Também podes deixar arrefecer e comer frio – fica com uma consistência tipo pudim;

Milho 2

Milho 3

Segue-nos nas Redes Sociais!

E carrega nessas Cenas Verdes!

Milho 5

Breakdown Calórico:

(Por Porção = 1/2 da Receita)

Azul – 74% Hidratos

Vermelho – 17% Gordura

Verde – 9% Proteína


Nota:

  • Os valores da tabela nutricional correspondem a uma dose (metade da receita), sem quaisqueres toppings;


Gostaste da receita?

Ajuda IMENSO se comentares ou partilhares com os teus amigos 🙂

Queque de Cenoura com Cobertura de Laranja

Queque de Cenoura com Cobertura de Laranja

Queques 0

“Queques? Mas quem é que come queques? Que coisa tão pré-histórica! A malta agora quer é muffins e cupcakes!”

A primeira vez que cozinhei muffins, foi na escola de hotelaria. Era uma receita que sim senhor, cheia de óleo e gordurosa como o caralho, como uma boa receita de muffins tradicional, daquelas que o pessoal acha que é saudável porque é um “bolo seco”. Depois de trabalhados e assados, os bolos foram retirados das formas de silicone. E diz o meu chefe de pastelaria “E aqui têm os vossos muffins.”. E digo eu “Que são exactamente iguais aos queques.”. E diz ele “Iguais aos queques? Isto são muffins! Não têm nada a ver com queques!”. E eu a pensar “Se não fosses meu professor, enfiava-te era já um queque à cabeçada pela goela abaixo.”

Se tu vives em Portugal,

Muffin é só um nome ainda mais snob para queque!

Vamos lá ver se nos entendemos – queque já é um nome estúpido o suficiente. Já soa como se algum burguês quisesse utilizar uma palavra inglesa para bolo, mas como cake é difícil de dizer, fica mesmo queque. Já agora fica a sugestão do aportuguesamento de muffin para mófim. Assim, até o meu avô pode começar a comer um mófim, quando estiver farto de queques.

“Ah, mas isso não são muffins, são cupcakes.”

É que nem comeces! Algum palhaço se lembrou de meter creme e purpurinas num queque e pronto – cupcake. Como se alguém assasse mesmo os bolos em chávenas! Cup em inglês, é chávena, caso não tenhas percebido a piada. Foi uma piada de merda, eu sei. Queres piadas de qualidade, começa a ler o blogue de algum comediante, ou então compra o Correio da Manhã.

No Sábado houve uma parada gay aqui em Bergen. Havia malta com t-shirts que diziam:

Cupcakes are just gay muffins

Queques 0.1

Eu não sei muito bem no que é que esta frase ajuda na luta pelos direitos dos homossexuais, mas eu acredito que seja algo do género – um homem não deixa de ser um homem só por ser homossexual. Talvez seja só mesmo uma piada e eu acabei de inventar esta metáfora, mas eu gosto de encontrar lógica em tudo.

Bom, mas percebeste o que eu quero dizer ou não?

UM CUPCAKE É SÓ A MERDA DE UM QUEQUE COM CREME EM CIMA!

Ingredientes:

Bolo:

Húmidos:

6 Cenouras médias
10 Tâmaras
2 Colheres de Sopa de Óleo de Coco
2 Colheres de Chá de Sumo de Limão
2 Colheres de Sopa de Sementes de Linhaça moídas
1 Colher de Sopa de Sementes de Chia
1/8 de Chávena de Açúcar Demerara
1/2 Chávena de Puré de Maçã (Applesauce)
Gengibre Fresco (a gosto)
1/2 Chávena de Leite vegetal

Secos:

1/2 Chávena de Farinha de Trigo Sarraceno
1/2 Chávena de Farinha de Amêndoa (ou amêndoa moída)
1/2 + 1/4 Chávenas de Farinha de Aveia (ou aveia moída)
1/4 de Chávena de Fécula de Batata
1 Colher de Chá de Fermento Químico
1 Colher de Chá de Bicarbonato de Sódio
1/8 de Chávena de Açúcar Demerara (em pó)
1/3 de Chávena de Uvas-passas
1/3 de Chávena de Barberries ou Bagas Goji
1 Colher de Chá de Canela moída
1/2 Colher de Chá de Gengibre em pó
Pitada de Noz-moscada
Pitada de Cardamomo
Pitada de Flor-de-sal

Cobertura:

3/4 de Chávena de Caju (demolhado)
3 Colheres de Sopa de Água
2 Colheres de Chá de Sumo de Limão
2 Colheres de Sopa de Xarope de Tâmaras ou de Ácer
Raspas de Laranja

Instruções:

Bolo:

  • Liga o forno a 180ºC;
  • Começa por ralar as cenouras;
    • Nós ralámos 3 cenouras no ralador fino e outras 3 no ralador grosso;
  • Aproveita e rala também o gengibre;
  • Numa taça grande, junta as sementes de chia, linhaça e açúcar demerara;
    • Sim, estes ingredientes não estavam na secção dos húmidos por acaso;
  • Esmaga as tâmaras junto;

Queques 1

  • Junta também o sumo de limão, óleo de coco, cenoura ralada, gengibre ralado (ou picado), puré de maçã e leite vegetal;
    • Mistura tudo bem, até obteres uma pasta;

Queques 2

  • Numa taça à parte, junta a farinha de trigo sarraceno, farinha de aveia, farinha de amêndoa e fécula de batata;
    • Podes fazer a farinha de aveia e farinha de amêndoa no processador ou moínho de café;
    • Não tritures a amêndoa demasiado, ou vai-se tornar manteiga;
  • Se tens um moínho de café, tritura também o açúcar demerara, para obteres açúcar em pó;
  • Junta o fermento químico, bicarbonato de sódio, açúcar, condimentos e sal à mistura de farinhas;
    • Mistura tudo bem;
  • Passa esta mistura por um coador de rede, ou um peneiro de rede não muito fina e junta-a à mistura de húmidos;
  • Envolve as uvas-passas e as barberries;

Queques 3

  • Verte o preparado em formas de queque de silicone e leva ao forno, durante cerca de 45 minutos/1 hora;

Queques 4.1

Cobertura:

  • Junta os cajus (previamente demolhados), raspas de laranja, água, sumo de limão e xarope de tâmaras no copo do processador;
    • Tritura tudo até obteres uma mistura homogénea e cremosa;

Queques 4

Resto da Cena:

  • Deixa os queques arrefecerem completamente e cobre-os com o creme;
  • Decora com umas raspas de laranja;
  • Livra-te de os chamares de cupcakes;

Queques 5

Queques 8

Segue-nos nas Redes Sociais!

E carrega nessas Cenas Verdes!

 

Queques 6

Breakdown Calórico:

(Por Queque = 1/11 da Receita)

Azul – 58% Hidratos

Vermelho – 35% Gordura

Verde – 7% Proteína


Gostaste da receita?

Ajuda IMENSO se comentares ou partilhares com os teus amigos 🙂

Granola de Banana, Amendoim e Chocolate

Granola de Banana, Amendoim e Chocolate

Granola 1

Pepsi com Ervelhanas

Quando eu era pequeno, bebia Pepsi com ervelhanas. Ou alcagoitas. Ou amendoins. Não sei como se chamam na tua zona. Lá na ilha são ervelhanas.

Não sei porquê, mas não havia criança que não gostasse de enfiar ervelhanas dentro das garrafas de pepsi, fazer uma breve marinada e depois emborcar, com imensa dificuldade, pela goela abaixo. Toda a gente gostava daquilo. E sim, no meu tempo vendia-se Pepsi e Sumol em garrafa. Latas é muito século XXI. E sim, era mesmo Pepsi, não era Coca-cola. Porquê, também não sei.

O Rei não morreu

Granola 1.2Eu não faço ideia quem é que inventou esta combinação de banana com manteiga de amendoim. As teorias da conspiração dizem que foi o Elvis, provavelmente a mando dos Illuminati, para perpetuar a prisão ilusória na Matrix, enquanto encobrem os contactos imediatos de 3º grau com seres extra-terrestres e escondendo as leis da astrofísica que provam o terraplanismo.

Se foi mesmo o Elvis, muito obrigado Rei. E eu sei que não morreste. Ou pelo menos as tuas patilhas não. Estão dentro de cada um de nós, hipsters, só à espera de um dia desfazer a barba.

Não sei quando é que isto pegou moda, mas eu acho que só provei esta combinação há meia dúzia de anos e fiquei fã.

Sandes de Banana

Granola 1.1Até tenho, aqui no blogue, a receita da melhor sandes de banana do mundo. Antes de sabermos o que era a manteiga de amendoim, Portugal andava mergulhado na escuridão e os putos que comiam sandes de papo-seco com banana, eram vítimas de bullying. Ou então era só na minha cidade. Mas na minha cidade toda a gente foi vítima de bullying. Ninguém conhecia era essa palavra, no meu tempo. E se viesses armado em chico-esperto a falar estrangeiro, na melhor das hipóteses comias uma chapada no meio dos olhos, só para te acalmar a tosse. Bons tempos.

Banana e manteiga de amendoim é o casamento perfeito não é? E como é que se melhora um casamento perfeito? Se eu fosse um grande macho, a resposta seria – “com gajas”. Mas como eu sou bom moço, a resposta é – “com chocolate”.

Granola de Banana, amendoim e chocolate

Quando já tens banana e manteiga de amendoim, só falta mesmo é chocolate. Os gajos da Ben & Jerry’s quase tiveram esta ideia, mas resolveram utilizar nozes em vez de manteiga de amendoim, quando fizeram o Chunky Monkey. São pouco parvos sim. Podiam ter feito o melhor gelado do mundo, mas resolveram fazer um só estupidamente bom.

Nesta granola, no entanto, não ficou nada de fora. E ainda por cima não tem óleo, açúcar, nem glúten. É uma granola que sim senhor.

Ingredientes:

5 Chávenas de Flocos de Aveia (ou mistura de flocos)
2 Bananas maduras
1/2 Chávena de Manteiga de Amendoim
5 Tâmaras
1/2 Chávena de Água
1/4 de Chávena de Sementes de Abóbora (Nozes ficariam ainda melhor)
1/4 de Chávena de Sementes de Sésamo moídas
1/2 Chávena de Pepitas de Cacau

Instruções:

  • Se estiveres a utilizar uma variedade de tâmaras pouco sumarentas, aconselho-te a demolhá-las em água durante algumas horas, antes de utilizar;
  • Liga o forno a 160ºC;
  • Remove o caroço às tâmaras e esmaga-as com um garfo, juntamente com a meia chávena de água;
  • Esmaga também a banana e a manteiga de amendoim, tudo junto, à bruta, até ficares com uma papa homogénea;
    • Se não sabes o que é que homogénea quer dizer, compra um dicionário;

Granola 2

  • Junta os flocos de aveia, sementes de abóbora ou nozes e sementes de sésamo moídas;
  • Mistura tudo bem;
    • É importante que a aveia fique toda envolvida na mistura;
  • Forra um tabuleiro com papel vegetal;
  • Espalha a mistura no tabuleiro (eu utilizei 2 tabuleiros);
    • A mistura vai ficar assim toda pegajosa e vai parecer que já fodeste essa merda toda, mas não te preocupes – no final, vai ficar tudo bem;

Granola 3

  • Leva a mistura ao forno, durante cerca de  15 ou 20 minutos;
    • Eu farto-me de dizer isto, mas às vezes sinto que falo chinês – O TEMPO DE COZEDURA VARIA IMENSO DE FORNO PARA FORNO! A COMIDA ESTÁ COZINHADA QUANDO ESTIVER COZINHADA! AO FIM DE 15 MINUTOS, NÃO VAI APARECER A VIRGEM MARIA EM TUA CASA PARA TE AVISAR!;
  • Quando a granola tiver assim um ar douradinho, é hora de mexê-la um pouco;
    • Eu utilizei as minhas mãos, nuas e másculas, para partir as placas quentes em pedaços;
    • Se fores um coninhas, podes esperar que a granola arrefeça para fazer isso;

Granola 4

  • Leva a granola novamente ao forno, durante mais 15 minutos;
  • Quando estiver douradinha e crocante, está pronta;
  • Deixa arrefecer completamente antes de juntares as pepitas de cacau;
    • Se ignorares este passo, és estúpido;

Granola 5

Granola 6

Segue-nos nas Redes Sociais!

E carrega nessas Cenas Verdes!

Granola 8

Breakdown Calórico:

(1 Serviço ~ 2 Colheres de Sopa)

Azul – 48% Hidratos

Vermelho – 40% Gordura

Verde – 12% Proteína


Nota:

  • Podes substituir as sementes de abóbora por nozes, amêndoas ou até mesmo amendoins;
  • Eu utilizei pepitas de cacau da MyProtein, porque para além de terem excelente qualidade, tenho parceria com a marca;
    • No lado direito do blogue, podes aceder ao meu link com descontos nas gamas bio e vegan;
  • Utilizei também a manteiga de amendoim da MyProtein, mas podes utilizar caseira, como já ensinei a fazer aqui;
  • Se quiseres deixar esta granola ainda melhor, podes juntar pedaços de banana desidratada;
    • Eu não juntei, porque não encontrei nenhuma que não levasse óleo e açúcar;

Gostaste da receita?

Ajuda IMENSO se comentares ou partilhares com os teus amigos 🙂