Falafel

 

Falafel

Falafel, O Iluminado

Eu gosto de comidas com nomes idiotas. É verdade, entusiasma-me. Gosto de comer coisas com nomes que nem tão pouco sei pronunciar. Gosto quando leio um menu e tem algo com um nome ridículo. Por mim as comidas tinham todas nomes japoneses e acabavam em jutsu. Tipo Yakisoba Teriyaki no Jutsu.

Eu sou um grande fã da cultura oriental. Especialmente do vocabulário. Talvez pelo vocabulário algarvio ter tanta influência árabe, talvez por eu ser um idiota, sendo a segunda a mais plausível das hipóteses.

Já referi o meu grande fascínio pelo nome tzatziki. Agora trago-vos o meu grande fascínio sobre o nome falafel. Se tzatziki soa a nome de arma mitológica do Império Otomano, falafel era, certamente, o nome de algum faraó do antigo Egipto.

“Falafel III, O Iluminado, filho de Mehotep, herdou o trono com apenas 7 anos de idade, sucedendo o seu irmão Takelot IV.”

Note-se que isto também são tudo nomes espetaculares para jogadores de futebol.

A minha primeira vez

Lembro-me perfeitamente da primeira vez que comi falafel – foi no Joshua’s do Forum Algarve, tinha eu uns 15 ou 16 anos, antes de ir para uma concentração de tuning.

Eu não fazia ideia o que estava a pedir. Só pedi porque tinha um nome idiota. Aliás, quase todos os pratos no Joshua’s têm nomes espetaculares, mas na altura aquilo era tudo novidade para mim. Há 15 anos atrás, no Algarve, aquilo era tudo relativamente novo. O resultado foi que acabei por ir comprar uma baguette ao Pans & Company. O falafel sabia a caca de pombo.

Ainda estás a pensar na concentração de tuning? Mas achas que só porque lês o meu blogue, sabes tudo sobre a minha vida?

Sabes de quem é que também não sabes nada sobre a respectiva vida? É da Oksana, das Dicas da Oksi.

O blogue Dicas da Oksi nasceu em Julho de 2015 pelas mãos da Oksana Zagoruy, ou Oksi, para os amigos.falafel 8

Esta linda moçoila, originária da Ucrânia, mudou-se para Portugal com 12 aninhos.

Apesar de residir oficialmente nessa pérola do Atlântico que é os Açores, mudou-se para o Porto há 5 anos, onde frequenta actualmente o 5º ano de mestrago integrado em psicologia clínica.

Para além de ter adoptado uma alimentação 100% vegetal há cerca de 2 anos, a Oksi opta também por uma cozinha o mais simples, natural e económica possível.

Pizza, batatas assadas e pão com abacate são algumas das suas paixões no prato, mas no dia-a-dia não troca os seus pratos coloridos e carregados de cereais, leguminosas e vegetais.

É também uma apaixonada pela natureza e nunca deixa a sua máquina fotográfica em casa quando vai passear.

Talvez motivada pela responsabilidade de viver sozinha, talvez inspirada pelas cores e aromas das pequenas mercearias e bancas de rua da cidade invicta, talvez por tudo um pouco, a Oksi começou a cozinhar e a publicar as suas receitas à base de produtos vegetais. E ainda bem que o fez. Os leitores agradecem. E eu também.

Confesso que o Dicas da Oksi é um dos meus blogues portugueses preferidos 🙂

Receita

Hoje, eu e a Oksi, trazemos-te duas espetaculares receitas de falafel. A minha vai estar aqui abaixo, como de costume e a da Oksi podes espreitar aqui.

Falafel 8

Para não variar, são receitas saudáveis, não são fritas, como as versões tradicionais e, acima de tudo, eu prometo que não sabem a caca de pombo.

Ingredientes:

500 gr. de Grão-de-bico cozido
1 Cebola Roxa
3 Dentes de Alho
2 Ramas de Aipo
1/2 Chávena de Amêndoas Torradas (ou farinha de amêndoa)
1/4 de Chávena de Azeitonas
6 Pedaços de Tomate Seco
Zeste de 1 Limão
Sumo de 1/2 Limão
1 Molhe de Salsa ou Coentros
1 Colher de Chá de Sementes de Coentros Moídas
2 Colheres de Chá de Cominhos
1 Colher de Chá de Paprika Fumada
1 Colher de Chá de Alho em Pó
1 Colher de Chá de Açafrão-das-índias
1 Colher de Chá de Fermento Royal
1 Colher de Sopa de Sementes de Chia
Sal
Pimenta Preta
Pimenta Caiena
1/2 Chávena de Pão Ralado para panar

Instruções:

  • Tritura a amêndoa no processador de cozinha, até obteres uma farinha grossa;
    • Se estiveres a utilizar farinha de amêndoa, ignora este passo;
  • Reserva a farinha de amêndoa numa taça;
  • Também no processador de cozinha, tritura o grão-de-bico com a zeste e o sumo de limão;

falafel 1

  • Pica a cebola roxa, alho, aipo, salsa, azeitonas e tomate seco;

falafel 2

  • Mistura bem as sementes de chia com 3 colheres de sopa de água morna, até formar uma espécie de goma, com uma textura parecida à de um ovo;
  • Numa taça grande, mistura a pasta de grão-de-bico, farinha de amêndoa, cebola, alho, aipo, salsa, azeitonas, tomate seco, ovo de chia e os condimentos todos;
  • Amassa bem com as mãos até obteres uma massa ligeiramente quebradiça;
  • Forma bolinhos, não muito grandes;
    • Se a massa ficar muito quebradiça, ao ponto de não conseguires formar os bolinhos, faz mais um ovo de sementes de chia e junta;
  • Passa os bolinhos por pão ralado
    • Podes utilizar pão ralado sem glúten, ou mesmo farelo de aveia sem glúten;

falafel 3

  • Forno a 180ºC durante cerca de 20/30 minutos;
    • Como digo sempre, é bom manter um olho nisto, já que o tempo de cozedura varia muito;
  • ‘Tá safo;

falafel 4

Segue-nos nas Redes Sociais!

E carrega nessas Cenas Verdes!

E segue as Dicas da Oksi, que ela é boa moça!

falafel 5

falafel 6

Breakdown Calórico:

(Eu fiz 26 bolinhos com esta receita e estes valores são para um bolinho)

Azul – 55% Hidratos

Vermelho – 29% Gordura

Verde – 16% Proteína

Sugestão:

  • Falafel acompanha muito bem com tzatziki, hummus e baba ganoush (que irei publicar receita brevemente), num pão de pita por exemplo;
  • Também acompanha muito bem com arroz, salada ou com um molho de mostarda, xarope de ácer e tahini;
    • Eu utilizo uma parte de xarope de ácer e outra de mostarda para duas de tahini e junto um pouquinho de água para ficar mais líquido;
  • Eu costumo deixar os bolinhos arrefecerem e depois congelo-os, assim estão sempre prontos a utilizar;

 

Deixar uma resposta